O Surgimento de um Novo Padrão de Pertencimento com a nossa Maior Noite

No Airbnb, nossa missão é criar um mundo que seja a sua casa. No começo, muitas pessoas pensavam que estranhos compartilhando casas era algo que nunca funcionaria, mas acreditávamos que uma comunidade construída com base na confiança poderia ter sucesso. 

Nos mais de 10 anos desde o início do Airbnb, nossa comunidade criou uma rede verdadeiramente global de anfitriões e hóspedes do Airbnb que se estende a quase todos os países e regiões do mundo.

Em 10 de agosto, mais de 4 milhões de pessoas passaram a noite em uma acomodação do Airbnb. Foi a maior noite da história do Airbnb e definiu um novo padrão de pertencimento para nós.

Desde o início, vimos como o Airbnb pode transformar estranhos em amigos e propagar o senso de pertencimento. Hoje, pessoas no mundo inteiro estão tendo discussões difíceis sobre esse mesmo tema. Estão em discussão questões de extrema importância, que vão muito além do Airbnb.

Certamente não temos todas as respostas, e aprendemos cada vez mais todos os dias. Uma lição que aprendemos é que a comunidade não é construída com tecnologia, mas sim por pessoas. Mesmo nesta era digital, a comunidade de hoje é construída da mesma forma de sempre: pessoas que passam tempo com outras pessoas offline, em cafés, templos e igrejas, instalações governamentais e suas próprias casas. Na era das bolhas digitais, da construção de muros e da imposição de restrições de viagem, essas conexões offline podem ajudar sociedades e comunidades a florescer.

Essa ideia não é nova. Os gregos antigos abraçaram o conceito de “filoxenia”, ou seja, que um estranho deveria ser recebido em Atenas como amigo. Versões desse conceito vivem no mundo todo, do Ubuntu, em partes da África Subsaariana, até o Pashtunwali, no Afeganistão.

No Airbnb, estamos usando a tecnologia para facilitar a conexão humana, e cada vez que um novo anfitrião ou hóspede se junta ao Airbnb, nossa rede global cresce. O aniversário do Apollo 11 nos lembrou de momentos globais que unem as pessoas. Mesmo que esses momentos únicos de verdadeira união global se tornem cada vez mais raros e distantes entre si, as pessoas ainda podem se unir viajando pelo mesmo caminho, fazendo o mesmo tipo de jornada, mesmo quando seu destino as leva para diferentes direções e, talvez o mais importante, passando tempo com outras pessoas – fora da Internet. No mundo complexo de hoje, pessoas que viajam para vivenciar culturas e comunidades diferentes das suas geralmente trazem consigo compreensão e confiança profundos, que são importantes principalmente para lidar com questões sociais globais, como as mudanças climáticas e a desigualdade.

“O Airbnb criou a oportunidade de conhecer pessoas do mundo inteiro. Me faz entender que culturas diferentes podem viver juntas. Podemos ser felizes, podemos compartilhar, podemos ter boas memórias juntos. Não importa de onde você venha.”

Pim
Anfitriã do Airbnb
Tailândia

Para nos ajudar a entender melhor nossa rede global e como estamos trabalhando em nossa missão, criamos o Índice de Conexões do Airbnb. O Índice reflete a combinação de países e regiões entre anfitriões e hóspedes. Por exemplo, se um hóspede da Argentina foi o primeiro a ficar com um anfitrião no Canadá, uma nova conexão foi feita entre a Argentina e o Canadá. E, por sua vez, se um hóspede canadense foi o primeiro a ficar com um anfitrião na Argentina, outra nova conexão foi feita, do Canadá para a Argentina.

Em 245 países e regiões no mundo inteiro, é matematicamente possível que haja 60.025 conexões de lugar para lugar. 

Essa possibilidade matemática abstrata está se aproximando da realidade a cada dia. 

Em 2010, a plataforma do Airbnb facilitou mais de 1.300 conexões. Em 2015, esse número aumentou para mais de 16.500.

Hoje, cerca de 26.000 conexões foram feitas através da plataforma do Airbnb. Recentemente, registramos uma série de novas conexões: um anfitrião de Djibouti recebeu um hóspede do Chile, um anfitrião na Botsuana recebeu um hóspede da Indonésia e um anfitrião do Quirguistão recebeu um hóspede de Ruanda.

Todos os dias, uma média de oito novas conexões entre diferentes países e regiões são feitas no Airbnb. No final deste ano, esperamos ultrapassar a metade do caminho, com mais de 30.013 conexões, e continuaremos crescendo. A previsão é superar 50.000 conexões até o ano de 2027.

Essas conexões são possíveis em parte por causa do tamanho, escopo e escala da rede global do Airbnb. Ao todo, o Airbnb tem mais de 6 milhões de anúncios em mais de 100.000 cidades—número maior do que o de quartos das sete principais redes de hotéis. Aproximadamente seis hóspedes fazem check-in em uma acomodação do Airbnb a cada segundo. E esses check-ins estão acontecendo em todo o mundo: em 2011, havia 12 cidades com mais de 1.000 anúncios do Airbnb. Hoje, quase 1.000 cidades têm mais de 1.000 anúncios do Airbnb. 

Da mesma forma, em 2011, apenas uma cidade recebeu mais de 100.000 chegadas de hóspedes em acomodações do Airbnb. Desde então, o escopo global da comunidade do Airbnb se expandiu consideravelmente. No ano passado, mais de 300 cidades receberam mais de 100.000 visitantes, incluindo cidades como Bandung, Indonésia; Cuernavaca, México; Sófia, Bulgária; Ubatuba, Brasil; Albuquerque, no estado do Novo México, EUA; e Joanesburgo, África do Sul.

Ao todo, tivemos mais de meio bilhão de chegadas de hóspedes em acomodações do Airbnb desde que começamos. Em 2011, 40% de todas as chegadas de hóspedes do Airbnb ocorreram em nossas 10 maiores cidades. Até agora, em 2019, cerca de 92% de todas as chegadas de hóspedes ocorreram fora dessas 10 maiores cidades. E, como destacamos em um relatório recente, grande parte do crescimento mais rápido do Airbnb está ocorrendo em destinos emergentes, impulsionado por uma crescente procura por viagens para lugares da Ásia-Pacífico, África e América Latina.

Embora nossa comunidade em cidades como Nova York, Londres e Paris ainda cresça rapidamente (anfitriões em cada uma dessas cidades receberam mais de 2 milhões de chegadas de hóspedes no ano passado), elas agora representam uma fração muito menor da comunidade geral do Airbnb. Por exemplo, a cidade de Nova York foi responsável por menos de 1% de todas as chegadas de hóspedes nos últimos 12 meses. Na verdade, nenhuma cidade do mundo representa mais de aproximadamente 1% das chegadas de hóspedes ou anúncios do Airbnb.

Os anfitriões se beneficiaram deste incrível crescimento global. Em 2011, havia 20 cidades onde os anfitriões ganharam um total combinado de mais de US$ 1 milhão ao compartilharem seu espaço. Hoje, há quase 3.000 cidades onde os anfitriões ganharam mais de US$ 1 milhão nos últimos 12 meses. Somente no ano passado, em 33 cidades diferentes os anfitriões ganharam um total combinado de mais de US$ 100 milhões por cidade ao hospedar no Airbnb.

“Eu e minha filha conhecemos pessoas fantásticas do mundo inteiro. Gosto muito que tantas pessoas venham aqui e compartilhem nossa casa. Conversar com os hóspedes também é muito inspirador. Muitas vezes, eles me dão a chance de ver o mundo de uma forma diferente.”

Mutheu
Anfitriã do Airbnb
Quênia

No Airbnb, somos dedicados à nossa missão e estamos comprometidos em conectar mais pessoas de diferentes partes do mundo. O dia 10 de agosto, a maior noite da nossa história, definiu o padrão mais recente de pertencimento do Airbnb, e continuaremos a criar mais conexões e a estabelecer novos recordes à medida que nossa comunidade continuar crescendo.

Receba novidades do Airbnb diretamente em sua caixa de entrada.

Você receberá emails da Sala de Imprensa do Airbnb e entende que seus dados pessoais serão processados de acordo com a Política de Privacidade do Airbnb. Você pode cancelar o recebimento desses emails quando quiser usando o link de cancelamento de inscrição em cada email.

Para mudar a língua/região de sua newsletter, selecione o país desejado antes de enviar este formulário.

Obrigado por se inscrever!

Ocorreu um erro ao confirmar sua inscrição. Por favor, tente novamente.